HISTORIA DA MOTOVELOCIDADE

Você possui um herói? Talvez no dia a dia tenha, como um médico, bombeiro, policial... Que sempre estará disposto caso você precise. Mas, na motovelocidade? É bem possível que, neste momento, tenha vindo um piloto em específico na sua mente.

Não confunda ídolo com herói, apesar de haver uma linha tênue entre os dois, este último é caracterizado por sua coragem, seu destemor e vontade de ir além.




Ele é aquele que te encoraja e incentiva a ir em frente. Que faz colocar em questão se o seu problema é realmente um problema.
Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

Uma moto, um acidente com caminhão, uma amputação da perna e do braço... Do mesmo lado. Esta é a “Left Side Story”, ou melhor: História do lado esquerdo.
Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

Uma cadeira de roda não impediu que tivesse vontade de competir. Muito pelo contrário, Alan Kempster foi atrás de equipes e disse que queria retornar às pistas. O chamaram de louco. Consideraram impossível. Insanidade.
Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

Adaptou o acelerador para o lado esquerdo, as pessoas olhavam e diziam “Não pode ser!”. Ele acabou convencendo com que o deixassem correr.
Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

Foi à primeira corrida e voltou com o troféu de primeiro lugar para casa. “As pessoas não acreditaram em mim no início, mas, com a conquista, perceberam que sim era possível”, disse ele. "Uma das coisas que me fizeram voltar a correr aos 48 anos de idade, foi a vontade de criar uma escola de pilotagem para deficientes físicos. Então, precisava provar a mim mesmo que era possível".
Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

“Queria dizer, a qualquer pessoa, que se tiver um sonho e paixão, que corra atrás disso. Só você pode fazer com que se torne realidade, ninguém mais”. – Alan Kempster.
Assista e se arrepie:



Fonte\
Zuun Motorcycles