Brasileiro Jean Ramos


Jean Ramos é o único brasileiro que está participando do AMA Supercross 2015 (campeonato mundial de supercross), nos Estados Unidos. Desde o dia 3 de janeiro, ele enfrenta os melhores nomes do esporte em provas que acontecem todo sábado à noite, dentro de estádios de futebol americano e baseball. 




Atleta da equipe brasileira Yamaha Grupo Geração, Jean Ramos, 25 anos, faz sua terceira temporada nesta competição (correu também em 2012 e 2013). Neste ano, o brasileiro ainda não alcançou nenhuma final (Main Event), apesar de chegar perto nas duas rodadas iniciais. 

Abaixo você confere entrevista na qual o atleta explica detalhes de seu desempenho na segunda rodada, realizada sábado, 10, em Phoenix, estado do Arizona. 


O próximo desafio do brasileiro é a terceira etapa, dia 17, em Anaheim, Califórnia.
Você já retomou os treinos após a etapa de Phoenix?
Jean Ramos: Domingo voltamos pra casa depois. Choveu muito, e ontem (segunda) acho que as pistas todas estavam fechadas. Fiz apenas um trabalho de academia. Hoje (terça) vamos pra Milestone, que provavelmente é a única pista que está aberta depois dessa chuva. Lá eles têm bastante maquinário, a pista está sempre em boas condições.

Por que a classificação para a final não veio em Phoenix?
Jean Ramos: o final de semana foi um pouco difícil. Eu estava rápido, mas acabei caindo na classificatória e na LCQ (repescagem). Preciso me manter em cima da moto.

O que aconteceu na classificatória depois da queda?
Jean Ramos: eu tentei seguir, mas na hora do tombo meu guidão entrou na roda de outro piloto e entortou o tubo do acelerador. Eu não conseguia mais acelerar depois disso. Não tinha como seguir.

Você fez uma boa largada. Provavelmente se classificaria.
Jean Ramos: sim. Estava em quarto nas seção de costelas, aí o Scott Champion me passou no fim dela, e na sequência de ritmo eu perdi o controle e acabei caindo. Mal me lembro o que aconteceu. Sei que o #86 caiu junto e meu guidão entrou na roda dele. Entortou o tubo do acelerador e não consegui continuar.

Na repescagem, o que deu errado?
Jean Ramos: larguei mal. A largada era curta, eu estava bem por fora. Até pulei bem do gate, mas fiquei pra trás na curva. Aí, estava em 11º quando enrosquei em outro piloto. Acho que a roda dianteira bateu na pedaleira do piloto da frente na curva. Aí acabou minha chance.

O que muda para a próxima etapa?
Jean Ramos: Segue o programa. Sei que tenho velocidade para ir ao Main Event, está faltando um pouco de sorte. Tenho que evitar as quedas.

Já se adaptou completamente à Yamaha YZ 250F?
Jean Ramos: sim, estou bem com ela. A ciclística é muito boa, vai bem nas curvas, e o motor é forte. Estamos trabalhando apenas no acerto de suspensão traseira e na relação ideal para o supercross aqui nos EUA.

A pista de Phoenix era mais difícil que de Anaheim 1?
Jean Ramos: a pista era bem difícil. Phoenix, por característica, tem um chão mais duro. Aí eles molharam bastante, e nos primeiros treinos tinha até lama na pista. As costelas eram bem difíceis, e a pista em geral era travadinha. Tinha que ter bastante técnica pra fazer os saltos e ser rápido nas curvas. Tinha que fluir na pista pra acertar. Se você errava em um lugar, era difícil consertar a sequência.

Não ter classificado ainda para uma final após duas etapas abala o psicológico?
Jean Ramos: não. Estou tranquilo. Sei que tenho potencial. Não me falta de velocidade. Estou confiante que posso chegar ao Main Event. Estou fazendo bons tempos e consegui uma boa largada em Phoenix. Estou treinando forte e trabalhando duro para chegar lá. Vai acontecer.

Fonte\ Imprensa Geração